Notícias

Notícias

Programa Acelera Foz

Parque Nacional do Iguaçu recebe certificação de ambiente protegido

Foz do Iguaçu foi um dos primeiros destinos do Brasil a adotar a medida e a experiência acabou servindo de modelo para outras cidades. Selo está previsto pelo Programa Acelera Foz.

O Parque Nacional do Iguaçu recebeu na tarde de ontem, 11, o Certificado de Responsabilidade Sanitária e o Selo de Ambiente Protegido. A chancela foi concedida pela Secretaria Municipal de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Sebrae-PR e Conselho Municipal de Turismo (Comtur).

Foz do Iguaçu foi um dos primeiros destinos do Brasil a adotar a medida e a experiência acabou servindo de modelo para outras cidades. A certificação foi entregue após a verificação de que a unidade de conservação, onde estão localizadas as Cataratas do Iguaçu, cumpriu todas as medidas recomendadas pela Vigilância Sanitária no enfrentamento da pandemia.

A outorga, criada por decreto municipal, atesta os atrativos turísticos, meios de hospedagem, restaurantes e demais estabelecimentos que cumprem os protocolos de segurança sanitária.

“A aplicação dos protocolos sanitários foi um trabalho entre a Gestão Integrada, o Parque Nacional do Iguaçu e as concessionárias. Receber a certificação é uma garantia de que construímos um ambiente seguro para que os visitantes voltem ao nosso destino”, destacou o chefe do parque, Ivan Baptiston.

Também receberam a certificação a Cataratas SA, principal concessionária do Turismo Sustentável do país, e responsável pela gestão da visitação turística do Parque Nacional do Iguaçu, além do Macuco Safari, empresa que gerencia o passeio de barco nas Cataratas do Iguaçu.

O Complexo Turístico Itaipu foi o primeiro atrativo de Foz do Iguaçu a receber o Certificado de Responsabilidade Sanitária e o selo de ambiente protegido.

A entrega da certificação foi realizada no Centro de Recepcão de Visitantes do PNI pelo secretário de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla, o presidente do Conselho Municipal de Turismo – Comtur, Paulo Angeli, e pelo consultor do Sebrae-PR, Marcelo Padilha. Receberam a certificação o chefe do Parque Nacional do Iguaçu, Ivan Baptiston, ao diretor da Cataratas do Iguaçu S/A, Adélio Demeterko, e a representante do Macuco Safari, Juliane Nunes.

“Foz do Iguaçu está na vanguarda no cumprimento dos protocolos sanitários, que fazem parte da nossa responsabilidade em atender bem e garantir a segurança dos turistas”, ressaltou Angeli.

“O Certificado de Responsabilidade Sanitária, juntamente com o Selo de Ambiente Protegido, são o nosso cartão de boas-vindas para os turistas que nos visitarem daqui por diante. Estamos adotando todas as medidas necessárias para que os visitantes possam vir tranqüilos a Foz do Iguaçu, pois aqui, eles serão bem cuidados”, afirmou Piolla.

Certificação

Os atrativos cumprem mais de 30 exigências para receberam o Certificado. Entre elas: Montar barreira sanitária, com tapete sanitizante, medição de temperatura e aplicação de questionário sobre sintomas respiratórios; realizar busca ativa diária de pessoas (colaboradores e clientes) com sintomas compatíveis com a Covid-19; priorizar o check-in eletrônico na venda dos ingressos; exigir o uso de máscaras de colaboradores e visitantes, instalar pontos de álcool gel em locais estratégicos e também deverão proceder a limpeza e desinfecção dos veículos ao final de cada viagem.

Acelera Foz

A certificação faz parte da série de ações adotadas pelo programa Acelera Foz, que tem como objetivo recuperar a economia da cidade. Fazem parte da iniciativa do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Prefeitura Municipal, Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Sebrae, Programa Oeste Desenvolvimento, Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (ACIFI) e O Conselho Municipal de Turismo (Comtur), dentre outras instituições.

(Texto: Agência Municipal de Notícias. Foto: Christian Rizzi)

Programa Acelera Foz

Acelera Foz investe em inovação para diversificar economia e…

Inovação, tecnologia e empreendedorismo estão entre as prioridades da agenda de retomada econômica do Programa Acelera Foz. O desenvolvimento desses recursos busca diversificar a economia, dinamizar o ambiente de negócios, gerar novos postos de trabalho e elevar a qualidade de vida da população iguaçuense.

A inovação está associada à captação de investimentos, no eixo 5 do plano de ações prioritárias do programa. Já em realização, estão editais de fomento e apoio a empreendedores criativos, a transformação da Vila A no primeiro bairro público inteligente do Brasil e a instalação de um centro de inteligência artificial (IA).

Os recursos são provenientes da Itaipu Binacional, do Parque Tecnológico Itaipu (PTI) e de instituições parceiras. Os valores estão sendo investidos em editais de Integração Universidade e Empresa, Empreendedorismo Inovador (2020-2021), Desafio Inova Oeste e Programa ConectaDEL e In²teraction, Vila A Inteligente e Centro de Inteligência Artificial em Agroenergia.

De acordo com o superintendente do PTI, general Eduardo Garrido, as frentes de ação do Acelera Foz têm como objetivo tornar Foz do Iguaçu um polo de inovação e empreendedorismo. Os resultados são efetivos para a economia. Cada real investido por uma startup, por exemplo, resulta em R$ 19,50 de faturamento e R$ 1,39 na forma de tributos para o poder público.

General Eduardo Garrido: Tornar Foz um atrativo para empresas – foto Kiko Sierich/PTI

“O Parque Tecnológico Itaipu tem investido seus esforços, com a disponibilização das diversas competências de suas equipes e toda sua infraestrutura, para que Foz do Iguaçu seja um atrativo para empresas de todo o país e até mesmo internacionais”, enfatiza. “Isso vai contribuir para a geração de empregos e renda para a cidade”, afirma.

Essas iniciativas, que integram o eixo 5 do Programa Acelera Foz, de incentivo à inovação e atração de investimentos, buscam os seguintes resultados*:

– 8 mil postos de trabalho impactados;

– R$ 11 milhões de investimentos em inovação;

– 250 empresas apoiadas;

– 300 bolsas de pesquisa;

– 40 startups impulsionadas;

– 50 novas soluções para o mercado;

– 320 profissionais capacitados;

– Vila A sendo o primeiro bairro público inteligente do Brasil e referência de planejamento; e

– Centro de Inteligência Artificial em Agroenergia reconhecido pelo governo federal.

* Ações previstas até 2022.

Inovação para o crescimento

Integrante do Acelera Foz, o Sebrae é instituição-chave para o desenvolvimento em inovação, tecnologia e empreendedorismo. O gerente da Regional Oeste da entidade, Augusto Stein, ressalta que investimentos nesses segmentos são decisões estratégicas para a retomada do crescimento no atual contexto de superação dos efeitos da pandemia na economia.

Augusto Stein: Criar condições para que as empresas enfrentem a crise – foto Divulgação/Sebrae

“Entendemos que investimentos em inovação e tecnologia, através do fomento a empresas com maior capacidade de crescimento, são fundamentais para o desenvolvimento econômico de um território”, aponta Augusto. “Em um momento como este, em que precisamos criar condições para que as empresas enfrentem a crise e auxiliem na dinamização da economia e no processo de retomada, essas ações tendem a ser ainda mais necessárias e efetivas”, expõe.

Mais ações

Na área de inovação/investimentos, o Programa Acelera Foz também prevê a criação do Centro Municipal de Inovação, a facilitação de acesso ao crédito e a implantação de um escritório de atração e recepção de investimentos em Foz do Iguaçu, todas ações que estão sendo desenvolvidas. Faz parte desse eixo, ainda, o estímulo à criação do polo de serviços de saúde no município.

Programa

Parte do plano de retomada econômica da cidade, o Acelera Foz tem a coordenação estratégica do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Itaipu Binacional, PTI, Prefeitura de Foz do Iguaçu, Sebrae, Programa Oeste em Desenvolvimento (POD), Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (ACIFI) e Conselho Municipal de Turismo (Comtur).

Programa Acelera Foz

Programa Foz Juro Zero já liberou R$ 12 milhões…

Uma das cidades mais impactadas do Paraná com a pandemia do novo coronavírus (covid-19), Foz do Iguaçu já liberou mais de R$ 12 milhões em linhas de crédito com juro zero para profissionais autônomos e liberais, trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEIs) e microempresários (MEs).

Até a ultima sexta-feira, 7 de agosto, o programa Foz Juro Zero já contabilizava a liberação de R$ 12.152.310,01, com 2.523 atendimentos nesta primeira fase do programa. O Foz Juro Zero é uma parceria entre a Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu com a Fomento Paraná, por meio do programa Paraná Recupera e o Sebrae-PR (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.

“Somos a cidade paranaense que mais liberou crédito nessa pandemia. A primeira fase está chegando ao fim, mas já estamos desenhando uma nova etapa, que terá os limites de créditos ampliados”, afirma o secretário de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla.

Para essa primeira fase do programa, a Fomento Paraná foi a instituição financeira que apresentou a menor taxa de juros, de 5,09% ao ano, o equivalente a 0,41% ao mês, enquanto outras instituições propuseram taxas entre 1,7% e 3,5% ao mês. O prazo de carência dos empréstimos é de 12 meses e o de pagamento das parcelas, entre 12 e 24 meses.

A Prefeitura pagará a taxa de juros das parcelas quitadas em dia, até a data de vencimento. Para pagamentos em atraso será cobrada a taxa normal de juros da linha Paraná Recupera, de 0,41% ao mês.

“Os resultados até o momento são significativos, sabemos que ainda têm muitos empreendedores que necessitam de crédito e a integração entre os parceiros continua para atender o maior número possível de pessoas. Esperamos em breve oferecer outras soluções de apoio aos empreendedores como forma de fortalecer seus negócios, isso ajudará todos na retomada da economia”, explica o consultor do Sebrae, Marcelo Padilha.

Linhas de crédito

Pela parceria entre a Prefeitura Municipal e a Fomento Paraná, três linhas de crédito foram colocadas à disposição dos interessados. A linha de R$ 1.500,00 é destinada ao atendimento de autônomos e informais sem CNPJ. Uma linha de até R$ 3.000,00 atende MEIs e microempresas com até 12 meses de fundação. E a linha de até R$ 6.000,00 beneficia MEIs e microempresas que estejam em atividade há mais de 12 meses.

Na segunda etapa, que ainda não tem data para começar, pois depende do lançamento de um edital de chamamento público das instituições financeiras, o limite será ampliado para R$ 5.000,00 para autônomos e informais sem CNPJ; R$ 10 mil para MEIs e microempresas até 12 meses de constituição; e para R$ 20 mil para MEIs e microempresas com mais de 12 meses de existência.

Poderão obter crédito pelo programa Foz Juro Zero uma extensa lista de atividades formais e informais, tais como guias de turismo, diaristas, cabeleireiros, costureiras, artesãos, motoristas de aplicativos, taxistas, cantores, músicos, vendedores ambulantes, mototaxistas, motoristas de aplicativos, dentre outras atividades que se enquadram na lista oficial de ocupações permitidas ao MEI. Profissionais liberais também podem se habilitar desde que possuam CNPJ como microempresários.

As condições para a segunda fase ainda estão sendo definidas e serão divulgadas posteriormente. O prazo de pagamento poderá ser ampliado até 48 meses, incluindo 12 meses de carência.

Banco do Empreendedor

O Banco do Empreendedor realiza o atendimento do programa Foz Juro Zero e das demais linhas de crédito. No total, durante essa pandemia, o Banco do Empreendedor já liberou R$ 15.927.100,04, sendo R$ 12.152.310,01 do Juro Zero, R$ 1.823.978,14 do Banco da Mulher, e R$ 1.950811,89 do Banco do Empreendedor e demais linhas de crédito da Fomento Paraná.

O Programa Foz Juro Zero

O Programa de Microfinanças de Foz do Iguaçu foi instituído mediante aprovação da Lei Municipal n° 4.829, de 20 de dezembro de 2019, regulamentado pelo Decreto nº 28.021, de 6 de abril de 2020.

A Prefeitura investirá um montante de até R$ 3 milhões dos recursos orçamentários da Secretaria de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, provenientes de royalties da Itaipu Binacional, para fazer a alavancagem de crédito, que poderá chegar a R$ 30 milhões.

O Foz Juro Zero faz parte de uma série de ações do programa Acelera Foz, que tem como objetivo recuperar a economia da cidade. Fazem parte da iniciativa o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Prefeitura Municipal, Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Sebrae, Programa Oeste Desenvolvimento, Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (ACIFI) e Conselho Municipal de Turismo (Comtur), dentre outras instituições.

Programa Foz Juro Zero

Para evitar aglomerações, o atendimento presencial é realizado mediante agendamento pelo WhatsApp (45) 98423-3132.

Documentos necessários:

Comprovante de CNPJ
Identidade: RG – CPF ou CNH (titular e sócios se houver)
Comprovante de endereço atual
Cópia de comprovante de conta corrente em seu nome (cartão onde apareça agência e conta corrente ou extrato).
Identidade: RG, CPF ou CNH do conjugue/companheiro (se for casado (a)).
Foto selfie com documento apresentado, segurando nas mãos RG ou CNH do (a) solicitante.
Assinatura da Autorização de Consulta Cadastral do CPF ou CNPJ
Para solicitar crédito informal / autônomo favor anexar a declaração de que é empreendedor informal (solicitar modelo).

(Secretaria de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos)

Sem categoria

Acelera Foz terá reunião mensal com a comunidade


O Programa Acelera Foz realizará reuniões mensais com organizações da sociedade civil organizada e instituições do poder público para apresentar a evolução das ações e metas. A resolução foi aprovada em reunião do Grupo de Coordenação Estratégica, realizada nessa sexta-feira, 7, com participantes presenciais e por videoconferência.

A demonstração para a comunidade dos resultados alcançados acontecerá em sessões plenárias do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), colegiado instituído por lei municipal e que reúne representantes de 32 instituições, governos, universidades e órgãos de classe. Os encontros também serão abertos à imprensa.

“Serão plenárias de prestação de contas do Acelera Foz”, enfatizou o presidente do Programa Oeste em Desenvolvimento (POD), Danilo Vendruscolo. “As instituições atuantes no programa poderão expor à comunidade iguaçuense o andamento dos projetos, os benefícios para a cidade e outras informações relevantes para a população”, expôs.

Os resultados do programa, a serem divulgados publicamente, estão dispostos em ferramentas de gestão implantadas pelo Acelera Foz. São dados e indicadores vinculados à matriz de responsabilidades, instrumento elaborado pelo Grupo de Coordenação Estratégica, que fixa o papel de cada instituição para a execução de ações em sete eixos de desenvolvimento.

Campanha de turismo

Na reunião de coordenação do Programa Acelera Foz, foi aprofundada a discussão em torno da campanha de mídia para promover o turismo de Foz do Iguaçu, que pretende atrair visitantes e contribuir com a retomada econômica da cidade. A iniciativa é coordenada pela Itaipu Binacional, juntamente com a Gestão Integrada do Turismo.

Reunião da coordenação do Programa Acelera Foz – foto Assessoria

Detalhes da campanha, já em desenvolvimento, foram apresentados pela superintendente de Comunicação Social e chefe da Assessoria de Turismo da Itaipu, Patrícia Iunovich, e pelo gerente da Divisão de Imagem Institucional da empresa, Daniel Reis. A divulgação da diversidade do destino enfatizará acolhimento e segurança ao turista.

“A ideia é mostrar para o turista que Foz do Iguaçu está pronta para recebê-lo”, frisou Patrícia. “A proposta tem como base as discussões acumuladas entre as instituições que operam no turismo. É uma ação para benefício da cidade, que conta com a união de todos os parceiros”, destacou.

Outras pautas

Secretário de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla explanou sobre a lei federal que extinguirá o adicional de US$ 18 da tarifa de embarque internacional nos aeroportos, que incide no bilhete pago pelo passageiro. É um pleito do turismo de Foz do Iguaçu defendido junto ao governo federal, lembrou. Piolla também falou da necessidade de rever o regime de hub do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

O consultor do Sebrae Luiz Marcelo Padilha detalhou o cronograma e a metodologia para a implantação do escritório de atração e recepção de investimentos de Foz do Iguaçu. Uma consultoria presta apoio aos atores que estão à frente da proposta. O planejamento prevê a conclusão do plano para o modelo de negócios em setembro, de acordo com Luiz.

O Grupo de Coordenação Estratégica do Acelera Foz também recebeu informações atualizadas sobre o novo Porto Seco Trimodal de Foz do Iguaçu, apresentadas pelo presidente do POD, Danilo Vendruscolo. Pelo calendário, o modal rodoviário do novo centro aduaneiro deverá operar em dezembro de 2022, apontou Danilo.

O diretor de Negócios e Inovação do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Rodrigo Régis de Almeida Galvão, apresentou balanço do edital Inovação Corporativa, que compõe o Acelera Foz. Foram 25 propostas, entre as quais 15 foram pré-classificadas e 5 serão selecionadas. Elas apresentaram soluções nas áreas de: covid-19, agronegócio, energia, turismo e cidades.

Programa

Parte do plano de retomada econômica da cidade, o Acelera Foz tem a coordenação estratégica do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Itaipu Binacional, PTI, Prefeitura de Foz do Iguaçu, Sebrae, POD, Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (ACIFI) e Conselho Municipal de Turismo (Comtur).

Programa Acelera Foz

Primeiro bairro público inteligente do Brasil é lançado em…

Ainda neste ano, a Vila A, em Foz do Iguaçu, inicia um processo de transformação que deve, além de proporcionar melhorias em áreas como segurança pública e mobilidade aos moradores, atrair empresas de base tecnológica para o município. Pelo Programa Vila A Inteligente, lançado nesta terça-feira (28), o bairro será um ambiente de testes e validações de tecnologias na área de Cidades Inteligentes, que começam a ser implementadas nos próximos meses. 

A iniciativa é promovida por uma parceria entre a Itaipu Binacional, o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e a Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu, e integra as ações do Programa Acelera Foz, com o objetivo de diversificar a economia de Foz do Iguaçu e torná-la um polo de inovação e empreendedorismo. Inicialmente, serão instaladas dez tecnologias, com um investimento de mais de R$ 10 milhões (sendo R$ 6,2 milhões da ABDI e R$ 4,5 milhões da Itaipu). 

“É a realização de um sonho, que é transformar a Vila e, por indução, toda Foz do Iguaçu, em uma área de projetos inteligentes, em que podemos integrar uma série de iniciativas que estão em curso, em áreas como infraestrutura, segurança pública e sustentabilidade, visando, principalmente, a qualidade de vida e o bem-estar do cidadão”, afirmou o diretor-geral brasileiro da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, durante a solenidade de lançamento do projeto, no Centro Executivo da Itaipu Binacional, localizado na Vila A. 

Ele destacou os diversos investimentos que empresa vem realizando em Foz, como a reforma do Aeroporto Internacional, duplicação da Rodovia das Cataratas e construção da Ponte da Integração, além de outras melhorias na própria Vila A, como a revitalização do Gramadão, ciclovia e novo mercado municipal. 

Tecnologias

O projeto Vila A Inteligente tem duração prevista de 36 meses e, na primeira fase, serão instaladas soluções em quatro áreas temáticas. A primeira, de Segurança Pública, envolve luminárias inteligentes com monitoramento de pessoas por reconhecimento facial e monitoramento de veículos por reconhecimento de placas. Na área de Mobilidade, o bairro vai contar com semáforos, pontos de ônibus e estacionamentos inteligentes. 

Já na área Ambiental, serão implementadas tecnologias para o monitoramento climático e ambiental da Vila A. A quarta área, de Integração com a Comunidade, abrange a disponibilização de rede wi-fi pública e o desenvolvimento de um aplicativo com funções como botão de pânico, acompanhamento da rota dos caminhões de coleta seletiva e informações sobre o transporte coletivo.

O presidente da ABDI, Igor Calvet, destacou que esteve em Foz no último mês de dezembro para o lançamento do Fronteira Tech, projeto que envolve tecnologias ligadas à Internet das Coisas (IoT) e Inteligência Artificial, para incrementar a segurança pública na área da  Ponte da Amizade e Aduana da Receita Federal. “Agora retornamos para este novo projeto que consolida um momento importante para Foz do Iguaçu, para a atração de empresas e o desenvolvimento de novas tecnologias”, disse. 

Sandbox

Para viabilizar a implementação da iniciativa, a Prefeitura de Foz do Iguaçu publicou no dia 25 de junho de 2020 o Decreto nº 28.444, instituindo o “Programa SandBox”, que regulamenta no município a instituição de ambientes experimentais de inovação científica, tecnológica e empreendedora, sob o formato de bancos de testes regulatórios. 

“O município não poderia deixar de apoiar essa iniciativa tão importante para o futuro e para o processo de recuperação econômica que tanto desejamos para Foz do Iguaçu”, garantiu o vice-prefeito do município, Nilton Bobato, representando o prefeito Chico Brasileiro na solenidade de lançamento do projeto. 

O termo SandBox é utilizado na área de tecnologia da informação e corresponde a um ambiente isolado, específico para testes de uma aplicação, o que oferece às empresas inovadoras a possibilidade de operação, em condições e prazos determinados.

A expectativa do Vila A Inteligente é que a instauração desse ambiente impulsione a geração de novos negócios; a atração de mais de 20 novas empresas e startups e quatro empresas âncoras (de médio e grande porte); e a criação de centenas de empregos diretos e indiretos.  A intenção é que o modelo possa ser replicado para outros bairros de Foz do Iguaçu e em outras cidades do Brasil. 

Laboratório Vivo

O Parque Tecnológico Itaipu e a ABDI vêm trabalhando em parceria no tema de Cidades Inteligentes desde 2019, quando foi inaugurado no PTI o Laboratório Vivo de Cidades Inteligentes, como um espaço de validação de tecnologias que funcionam como uma vitrine para auxiliar a tomada de decisões de gestores públicos em relação aos benefícios das soluções. O Centro de Controle e Operações (CCO) do Laboratório do PTI, onde são administradas todas as informações geradas pelas tecnologias, será integrado ao CCO da Vila A.

“Esta é uma oportunidade muito relevante”, afirmou o diretor superintendente do PTI, general Eduardo Castanheira Garrido Alves. “Já vínhamos desenvolvendo algumas tecnologias de Cidades Inteligentes dentro do PTI e agora é o momento de testá-las em um ambiente urbano com todas as peculiaridades do seu dia a dia. É também uma iniciativa alinhada com as orientações do governo federal, de atuar na geração de emprego e renda, e deixar um legado para a população”, concluiu.

Programa Acelera Foz

Participação da comunidade em editais do Programa Acelera Foz…

Ações incentivam novos negócios, geração de emprego, inovação e integração entre universidades e empresas.

A participação da comunidade de Foz do Iguaçu nos editais de inovação, empreendedorismo e soluções tecnológicas do Programa Acelera Foz supera as metas previstas. A avaliação foi realizada durante reunião do Grupo de Coordenação Estratégica do Programa Acelera Foz, realizada nessa sexta-feira, 24.

As seleções, no contexto da pandemia de covid-19, contribuem para a retomada econômica, estimulando a geração de emprego e renda. São três editais voltados a startups, empresas, empreendedores e pequenos negócios, os quais já ultrapassaram o número de propostas estipulado na abertura dos processos de escolha projetos. 

O balanço parcial, pois editais seguem com inscrições abertas (veja as datas abaixo), foi apresentado pelo diretor de Negócios e Inovação do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Rodrigo Régis de Almeida Galvão. A instituição é responsável pela operacionalização das seleções e gestão dos projetos a serem aprovados.

“A adesão de empresas, empreendedores e instituições de ensino de Foz do Iguaçu aos editais está sendo maior do que a nossa expectativa, e os projetos continuam sendo enviados dentro do prazo de inscrição”, enfatiza Rodrigo. “Isso reforça que o cenário para a expansão da inovação e de soluções tecnológicas em nossa cidade é muito favorável”, avalia.

Para o integrante da diretoria do PTI, a união de esforços possibilitada pelo Acelera Foz garante maior alcance das ações a favor da sociedade. “Na divulgação dos editais, tivemos grande apoio de instituições como a ACIFI e o Sebrae, na divulgação, e adesão dos empresários iguaçuenses. Esse trabalho conjunto é essencial para os resultados que estamos atingindo”, expõe Rodrigo Régis de Almeida Galvão.

Desafio de inovação

Startups, micros e pequenas empresas interessadas em criar ou aprimorar produtos, serviços ou processos para aumentar a competitividade e a participação no mercado têm até 28 de julho para se inscrever no Desafio Inova Oeste. Entre as áreas de atuação estão a transformação digital, design de produto e eficiência energética.

Até o momento, 43 propostas criativas em inovação estão sendo elaboradas na seleção – a meta era receber 40 iniciativas. O programa irá destinar até R$ 58 mil para 20 projetos contemplados.

Integração: universidade e empresa

Aberto até 2 de agosto, o edital do Programa de Integração Universidade e Empresa visa a ampliar a inovação entre as empresas impactadas pela crise causada pela pandemia. Com oferta de bolsas de R$ 800, por nove meses, agrega estudantes e professores de instituições públicas e particulares de ensino superior, de várias áreas do conhecimento.

Já estão inscritas no programa 72 propostas, abrangendo 216 bolsas a universitários. A meta inicial previa o recebimento de 60 iniciativas e 200 bolsas. Para apresentar proposta, o empresário deve elaborar projeto juntamente com uma universidade ou faculdade.

Inovação corporativa

Unir demandas de empresas de médio e de grande porte em busca de soluções de empreendedores e startups. Com esse objetivo, o Programa Inovação Corporativa atua nas linhas de incubação e aceleração. O foco é o desenvolvimento de novas empresas.

As inscrições para a linha de incubação vão até 7 de agosto, para a seleção de 13 empreendedores. Para a aceleração, as inscrições terminaram neste domingo, 26. Até a última sexta-feira, 19 propostas já haviam sido prospectadas conforme as normas do edital, que prevê a seleção de startups.

O programa de incubação e aceleração tem a finalidade de desenvolver soluções, produtos aplicáveis em curto prazo, modernização tecnológica e reduzir custos, assim como aumentar a competitividade do setor.

Os editais estão disponíveis em http://pti.org.br/acelerafoz.

Salto para o futuro

Parte do plano de retomada econômica da cidade, o Acelera Foz tem a coordenação estratégica do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Prefeitura de Foz do Iguaçu, Sebrae, Programa Oeste em Desenvolvimento (POD), Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (ACIFI) e Conselho Municipal de Turismo (Comtur).

Programa Acelera Foz

Tirando ideias do papel: Programa Acelera Foz oferece bolsas…

Desde fevereiro, quando lançou o Edital de Inovação Corporativa – em parceria com a Fundação Araucária, o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) abriu espaço para ouvir as “dores” de grandes empresas e indústrias paranaenses, que tiveram a oportunidade de cadastrar suas demandas no site da instituição. Agora, chegou a vez dos empreendedores inscreverem suas propostas de soluções para essas problemáticas, até o dia 07 de agosto. 

As soluções para as demandas podem abranger tanto a implementação de novos produtos ou processos ou ainda a melhoria de produtos e processos já existentes. Para conhecer todas as demandas disponíveis, basta acessar o endereço: pti.org.br/acelerafoz, no menu “Oportunidades”. Já para participar, é preciso se inscrever no link: radar.pti.org.br/inscricao, optando pela alternativa “Pré-incubação”.

Para quem tem uma proposta de solução inovadora, mas que não se enquadra diretamente com nenhuma das demandas listadas, também pode inscrevê-la desde que esteja relacionada às linhas temáticas: Agronegócio, Energia, Turismo e Cidades, Segurança de Infraestruturas Críticas ou Medidas de combate aos efeitos econômicos da COVID-19. 

Em caso de dúvidas, a equipe do Parque Tecnológico também está disponível para esclarecimentos e prestação de apoio, através do email editalinovacao@pti.org.br ou via telefone/WhatsApp: + 55 (45) 99116-1596

A Incubadora do Parque Tecnológico vai selecionar 60 propostas, que receberão uma bolsa-auxílio para modelar soluções, durante dois meses. 

Todas as soluções serão avaliadas e os oito projetos com maior pontuação entrarão para a incubação no PTI, onde terão acesso a toda estrutura da instituição, que inclui coworking, sala de prototipação e sala de criatividade e inovação da Incubadora, laboratórios, serviços e demais espaços do Parque.

Também receberão consultorias e mentorias, além de recursos para dar suporte ao desenvolvimento do produto, em um prazo de até 12 meses.

Medidas de combate aos efeitos econômicos da COVID-19

Startups ou pequenas empresas já constituídas e com solução validada no mercado, também podem inscrever suas propostas de projetos especificamente para a linha temática “Medidas de combate aos efeitos econômicos da COVID-19”, até o dia 26 de julho.

Essas empresas serão direcionadas diretamente a uma banca avaliativa, para verificação do grau de maturidade da solução e o atendimento de demandas sensíveis no mercado. O cadastro deve ser feitono link: radar.pti.org.br/inscricao, escolhendo a opção “Aceleração”.

As cinco Startups melhores qualificadas receberão recursos (baseado no planejamento realizado) nos valores entre R$ 60.000,00 e R$ 100.000,00 para implementação da solução proposta e aceleração do negócio.

O Programa Inovação Corporativa, do PTI, é mais uma das ações integrantes do Programa Acelera Foz – uma iniciativa de retomada econômica que tem a coordenação estratégica do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Prefeitura de Foz, Sebrae, Programa Oeste em Desenvolvimento, Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (Acifi) e Conselho Municipal de Turismo (Comtur).

Entenda a Linha do Tempo do edital do Programa Inovação Corporativa

Programa Acelera Foz

Desafio Inova Oeste disponibiliza serviços tecnológicos para micro e…

Mais de 1000 empresas da região Oeste do Paraná já contaram com o apoio do Programa Sebraetec na forma de serviços tecnológicos para a melhoria de produtos, processos e serviços, em áreas como transformação digital, design de produto e eficiência energética. Este suporte é um dos benefícios que os empreendedores selecionados pelo Desafio Inova Oeste terão para impulsionar seus projetos. 

Os prazos do Desafio Inova Oeste foram prorrogados e as propostas podem ser enviadas até o dia 28 de julho. Mas antes é preciso solicitar ao Programa Sebraetec o orçamento dos serviços especializados, com o prazo também estendido até o dia 19 de julho. O custo de serviços fará parte dos até R$ 58 mil que serão destinados a 20 micro e pequenas empresas e startups para impulsionar o desenvolvimento de soluções tecnológicas. 

São mais de 140 serviços disponibilizados pela iniciativa do Sebrae em 19 áreas. Como exemplo, o empreendedor pode ter acesso a serviços de desenvolvimento de aplicativos, comunicação visual, certificações e adequações a normas, rotulagem de alimentos e desenvolvimento de produtos.  A lista completa está no edital do Desafio Inova Oeste. 

Conforme explica o consultor do Sebrae/PR, Alex Debus, os empreendedores podem ter acesso a mais de um serviço, desde que não ultrapassem o valor máximo previsto no edital, de R$ 30 mil. No Programa Sebraetec, 70% do custo é subsidiado pelo Sebrae; no caso do Desafio Inova Oeste, o valor total é garantido pela iniciativa. Os orçamentos podem ser solicitados pelo Whatsapp, nos números  (45) 3321-7075 / (45) 3521-5303 / (45) 3277-4211, ou pelos e-mails arizzi@pr.sebrae.com.br, rodoliveira@pr.sebrae.com.br e gfernandes@pr.sebrae.com.br.

A partir da solicitação do orçamento, o Sebraetec busca empresas interessadas em prestar o serviço.  O prazo para o recebimento da proposta é de quatro dias úteis. A informação é um dos nove itens do formulário para cadastro dos projetos no Desafio Inova Oeste integra o Acelera Foz e é promovido em uma parceria entre Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), Itaipu Binacional, Sebrae Paraná, Fundação Araucária, Sistema Regional de Inovação (SRI), Programa Oeste em Desenvolvimento e Iguassu Valley.

Que tipo de projetos podem ser inscritos?

O Desafio Inova Oeste tem o objetivo de impulsionar o desenvolvimento de soluções tecnológicas de micro e pequenas empresas e startups como, por exemplo, a criação ou a melhoria de produtos, serviços e processos. O projeto pode ser feito por uma associação de empresas, desde que pelo menos uma delas esteja localizada no oeste paranaense. 

Deve, ainda, estar relacionado às seguintes linhas temáticas: Agroenergia; Energia; Saúde; Produção de Alimentos; Varejo; Turismo; Cidades Inteligentes; Logística; Meio Ambiente; Internet das Coisas (IoT); Inteligência Artificial; Indústria 4.0;  Segurança de Infraestruturas Críticas; e Tecnologia da Informação e Comunicação.

A seleção será feita por uma comissão avaliadora, com base em nove critérios, dos quais os com maior peso são o potencial de inovação e o mercado potencial da solução tecnológica.

As empresas contempladas receberão um recurso de até R$ 58 mil a ser aplicado em mentorias e acompanhamento do Sebrae, serviços tecnológicos do Sebraetec, compras de equipamentos, pagamento de bolsas para alunos de graduação e profissionais graduados, e contratação de serviços terceirizados. A partir da formalização do contrato, terão um prazo de até seis meses para a apresentação da solução.

Mais informações e o edital completo do Desafio Inova Oeste podem ser encontrados no site: https://premioedesafio.oesteemdesenvolvimento.com.br/

Programa Acelera Foz

Desafio Inova Oeste: Micro e pequenas empresas ou startups…

Micro e pequenos empresários ou startups do Oeste do Paraná que têm um projeto em desenvolvimento, como, por exemplo, um aplicativo ou software, e a criação ou a melhoria de produtos, serviços ou processos, podem receber uma força daquelas para colocar o plano em dia: até o dia 22 de julho, é possível cadastrar suas propostas no Desafio Inova Oeste. Até 20 empreendedores poderão ser contemplados com recursos que podem chegar a R$ 58 mil, a serem investidos em equipamentos, bolsas de pesquisa, mentorias e consultorias tecnológicas.

Para se inscrever, basta preencher um formulário com informações da empresa e do projeto, disponível no site do Desafio Inova Oeste. O questionário envolve nove itens, entre descrição do projeto, análise de mercado, avaliação dos riscos, orçamento e cronograma. A iniciativa integra o Programa Acelera Foz, que tem entre seus principais objetivos diversificar a economia da cidade e transformar Foz do Iguaçu em um polo de inovação e empreendedorismo.

O Desafio Inova Oeste é promovido em uma parceria entre Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), Itaipu Binacional, Sebrae Paraná, Fundação Araucária, Sistema Regional de Inovação (SRI), Programa Oeste em Desenvolvimento e Iguassu Valley.

Os projetos devem ser cadastrados até o dia 22 de julho, e podem ser de apenas uma ou de um grupo de micro e pequenas empresas ou startups associadas, contanto que ao menos uma delas esteja localizada no Oeste do Paraná. Devem também estar relacionados às seguintes linhas temáticas: Agroenergia; Energia; Saúde; Produção de Alimentos; Varejo; Turismo; Cidades Inteligentes; Logística; Meio Ambiente; Internet das Coisas (IoT); Inteligência Artificial; Indústria 4.0;  Segurança de Infraestruturas Críticas; e Tecnologia da Informação e Comunicação.

A seleção será feita por uma comissão avaliadora, com base em nove critérios, dos quais os com maior peso são o potencial de inovação e o mercado potencial da solução tecnológica.

As empresas contempladas receberão um recurso de até R$ 58 mil a ser aplicado em mentorias e acompanhamento do Sebrae, consultorias tecnológicas especializadas do Programa Sebraetec, compras de equipamentos, pagamento de bolsas para alunos de graduação e profissionais graduados, e contratação de serviços terceirizados. A partir da formalização do contrato, terão um prazo de até seis meses para a apresentação da solução.

“O Desafio Inova Oeste, além de fomentar a cultura da inovação entre os empreendedores, ainda estimula a geração de empregos e a economia na região, a partir da contratação de materiais e serviços e da disponibilização de bolsas de pesquisa para o desenvolvimento das soluções”, afirma o diretor de Negócios e Inovação do Parque Tecnológico Itaipu, Rodrigo Régis de Almeida Galvão.

O edital completo do Desafio Inova Oeste e o formulário para inscrição estão disponíveis no site: https://premioedesafio.oesteemdesenvolvimento.com.br.

Programa Acelera Foz

Parque Tecnológico Itaipu vai financiar startups e projetos inovadores

Criação de um sistema para rastreabilidade da produção de ração ensacada, melhorias dos processos sanitários do setor turístico, desenvolvimento de cabines para desinfecção de pessoas em locais de grande fluxo, desenvolvimento de ferramentas para otimização da comunicação e relacionamento com clientes, atualização tecnológica para vendas online, melhorias no processo de qualificação de grãos, entre outras. Estas são algumas das demandas cadastradas por indústrias e empresas parananenses de médio e grande porte no Programa Inovação Corporativa do Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR). A lista completa está disponível no endereço: pti.org.br/acelerafoz, no menu “Oportunidades”.

Em fevereiro deste ano, o PTI – em parceria com a Fundação Araucária – lançou a primeira versão do Edital que oferecia a oportunidade para os empreendimentos inscreverem suas problemáticas nas linhas de atuação: Agronegócio, Turismo e Cidades, Energia e Segurança de Infraestruturas Críticas. Com os adventos causados pela pandemia do novo coronavírus, foi acrescentada a temática “Medidas de combate aos efeitos econômicos da COVID-19” e prorrogado o prazo para inscrições, que encerrou no último dia 14.

Nesta nova etapa, lançada na última sexta-feira, 26, empreendedores e startups tem até o dia 07 de agosto para propor soluções inovadoras para essas demandas, através da implementação de produtos ou processos novos ou melhorados. Para participar, é preciso acessar o link radar.pti.org.br/inscricao.

A Incubadora do Parque Tecnológico vai selecionar 60 propostas, que receberão uma bolsa-auxílio para modelar soluções às demandas cadastradas pelas empresas, durante dois meses.

As soluções serão avaliadas pelas empresas demandantes e os oito projetos com maior pontuação entrarão para a incubação no PTI, onde terão acesso a toda estrutura da instituição, que inclui coworking, sala de prototipação e sala de criatividade e inovação da Incubadora, laboratórios, serviços e demais espaços do Parque.

Também receberão consultorias e mentorias, além de recursos para dar suporte ao desenvolvimento do produto, em um prazo de até 12 meses.

De acordo com o diretor de Negócios e Inovação do PTI, Rodrigo Regis de Almeida Galvão a iniciativa tem como objetivo “ampliar a competitividade nacional e internacional do setor produtivo paranaense, incentivar a cultura de inovação e empreendedorismo no Estado, além de buscar alternativas para os negócios severamente impactados pelo momento crítico atual”.

E foi justamente por conta desse período extraordinário, que as propostas de soluções cadastradas para as demandas da linha temática “Medidas de combate aos efeitos econômicos da COVID-19”, passarão por um processo diferenciado.

Nesta linha, startups já constituídas e com solução validada no mercado, poderão inscrever, até 12 de julho, suas propostas de projetos. Essas empresas serão direcionadas diretamente a uma banca avaliativa, para verificação do grau de maturidade da solução e o atendimento de demandas sensíveis no mercado. O cadastro deve ser feito no aqui: radar.pti.org.br/inscricao.

As cinco Startups melhores qualificadas receberão recursos (baseado no planejamento realizado) nos valores entre R$ 60.000,00 e R$ 100.000,00 para implementação da solução proposta e aceleração do negócio.

“Conhecer as dores das empresas demandantes torna mais fácil o caminho para a proposição de soluções assertivas com potencial de trazer grandes resultados econômicos para a Região Oeste do Estado”, explicou Rodrigo Regis.

Já Ramiro Wahrhaftig, presidente da Fundação Araucária, destacou a importância da parceria entre as instituições “para o desenvolvimento do excepcional Oeste do Paraná e da metrópole Trinacional; Do dinamismo de um dos ecossistemas mais importantes do Estado”.

Para Ramiro, entre os diferenciais da região que podem alavancar ainda mais o empreendedorismo local estão “os ativos e atores extremamente qualificados e detentores de grande capacidade mobilizadora da região, incluindo as universidades e os parques tecnológicos atuando de forma conjunta”.

Esta é mais uma das ações que integram o Programa Acelera Foz – uma iniciativa de retomada econômica que tem a coordenação estratégica do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Prefeitura de Foz, Sebrae, Programa Oeste em Desenvolvimento, Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (Acifi) e Conselho Municipal de Turismo (Comtur).